sábado, 29 de maio de 2010

TIREM SUAS DUVIDAS SOBRE A SUA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Dados de Catalogação

Referenciais Curriculares Nacionais dos Cursos de Bacharelado e Licenciatura/Secretaria de Educação Superior. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Superior, 2010. 99 p.

1. Referenciais Nacionais de Graduação. 2. Políticas públicas em educação. 3. Regulação da Educação Superior. 4. Supervisão da Educação Superior.

Ministério da Educação: Esplanada dos Ministérios – Bloco L – CEP: 70.047-900 – Brasília – DF. Telefone: 0800-616161. Sítio: www.mec.gov.br

EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO

Carga Horária Mínima: 3200h

Integralização: 4 anos

PERFIL DO EGRESSO

O Bacharel em Educação Física atua no planejamento, prescrição, supervisão e coordenação de projetos e programas de atividades físicas, recreativas e esportivas. Em sua atividade, avalia as manifestações e expressões do movimento humano, tais como: exercício físico, ginástica, jogo, esporte, luta, artes marciais e dança. Pesquisa, analisa e avalia campos da prevenção, promoção e reabilitação da saúde, da formação cultural, da educação e reeducação motora e do rendimento físico-esportivo. Planeja e gerencia atividades de lazer e de empreendimentos relacionados às atividades físicas, recreativas e esportivas. Em sua atividade gerencia o trabalho e os recursos materiais de modo compatível com as políticas públicas de saúde, primando pelos princípios éticos e de segurança.

TEMAS ABORDADOS NA FORMAÇÃO

Administração Desportiva; Anatomia Humana; Aprendizagem e Desenvolvimento Motor; Cinesiologia; Dança; Fisiologia Humana; Fisiologia do Exercício; Fundamentos da Educação Física; Fundamentos do Desenvolvimento e da Aprendizagem; Política e Estrutura da Educação Física; Prevenção de Acidentes; Recreação e Lazer; Respectivos Esportes; Ritmo e Movimento; Treinamento Desportivo; Ética e Meio Ambiente; Relações Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS).

AMBIENTES DE ATUAÇÃO

O Bacharel em Educação Física atua em clubes; em academias de ginástica; em empresas de artigos esportivos; em clínicas; em hospitais; em hotéis; em parques; nos meios de comunicação. Também pode atuar de forma autônoma, em empresa própria ou prestando consultoria.

INFRAESTRUTURA RECOMENDADA

Laboratórios de: Anatomia; Biomecânica e Cinesiologia; Bioquímica; Cineantropometria; Comportamento Motor; Práticas Pedagógicas; Fisiologia; Fisiologia do Exercício; Informática com Programas Especializados. Campo de Futebol. Ginásios de: Ginástica; Lutas; Poliesportivo. Piscina. Pista de Atletismo. Sala Multiuso. Sala de Musculação. Biblioteca com acervo específico e atualizado.

EDUCAÇÃO FÍSICA – LICENCIATURA

Carga Horária Mínima: 2800h

Integralização: 3 anos

PERFIL DO EGRESSO

O Licenciado em Educação Física é o professor que planeja, organiza e desenvolve atividades e materiais relativos à Educação Física. Sua atribuição central é a docência na Educação Básica, que requer sólidos conhecimentos sobre os fundamentos da Educação Física, sobre seu desenvolvimento histórico e suas relações com diversas áreas; assim como sobre estratégias para transposição do conhecimento da Educação Física em saber escolar. Além de trabalhar diretamente na sala de aula, o licenciado elabora e analisa materiais didáticos, como livros, textos, vídeos, programas computacionais, ambientes virtuais de aprendizagem, entre outros. Realiza ainda pesquisas em Educação Física, coordena e supervisiona equipes de trabalho. Em sua atuação, prima pelo desenvolvimento do educando, incluindo sua formação ética, a construção de sua autonomia intelectual e de seu pensamento crítico.

TEMAS ABORDADOS NA FORMAÇÃO

Administração Desportiva; Anatomia Humana; Aprendizagem e Desenvolvimento Motor; Cinesiologia; Dança; Fisiologia Humana; Fisiologia do Exercício; Fundamentos da Educação Física; Fundamentos do Desenvolvimento e da Aprendizagem; Política e Estrutura da Educação Física; Prevenção de Acidentes; Recreação e Lazer; Respectivos Esportes; Ritmo e Movimento; Treinamento Desportivo; História, Filosofia e Sociologia da Educação; Metodologia e Prática da Educação Física; Tecnologias da informação e comunicação aplicadas à Educação Física; Psicologia da Educação; Probabilidade e Estatística; Legislação Educacional; Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS); Pluralidade Cultural e Orientação Sexual; Ética e Meio Ambiente; Relações Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS).

AMBIENTES DE ATUAÇÃO

O Licenciado em Educação Física trabalha como professor em instituições de ensino que oferecem cursos de nível fundamental e médio; em editoras e em órgãos públicos e privados que produzem e avaliam programas e materiais didáticos para o ensino presencial e a distância. Além disso, atua em espaços de educação não-formal, como clubes, academias de ginástica, clínicas, hospitais, hotéis e parques; em empresas que demandem sua formação específica e em instituições que desenvolvem pesquisas educacionais. Também pode atuar de forma autônoma, em empresa própria ou prestando consultoria.

INFRAESTRUTURA RECOMENDADA

Laboratórios de: Anatomia; Biomecânica e Cinesiologia; Bioquímica; Cineantropometria; Comportamento Motor; Práticas Pedagógicas; Fisiologia; Fisiologia do Exercício; Informática com Programas Especializados. Campo de Futebol. Ginásios de: Ginástica; Lutas; Poliesportivo. Piscina. Pista de Atletismo. Sala Multiuso. Sala de Musculação. Biblioteca com acervo específico e atualizado.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

UNE, CUT, MST e mais 25 entidades definem posicionamento para as eleições 2010

A Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS), que reúne 28 entidades, entre elas CUT, UNE e MST, realizará no próximo dia 31 de maio, segunda- feira, em São Paulo, uma Assembléia Nacional com objetivo de discutir, elaborar e aprovar a plataforma política do movimento social brasileiro para as eleições 2010. O documento será apresentado ao conjunto da sociedade e incluirá a pauta de reivindicações dessas entidades aos candidatos a presidente, governador, senador, deputado federal, estadual e distrital.

A Assembléia Nacional dos Movimentos Sociais acontecerá na quadra da sede do Sindicato dos Bancários (Rua São Bento, 413, Centro), a partir das 10h. São esperadas mais de 3 mil pessoas de todas as regiões do país, que representam movimentos de moradia, estudantis, trabalhadores, sem terra, sem teto, desempregados, além de intelectuais, comunicadores, pastorais e diversos sindicatos. A participação é aberta a qualquer cidadão, sem necessidade de credenciamento prévio.

POSICIONAMENTO PÓS GOVERNO LULA

Apesar de o governo Lula ter sido o que mais dialogou com os movimentos sociais brasileiros, a CMS aponta que as mobilizações e a pressão popular irão se acirrar em 2011, independentemente do resultado eleitoral. Além de aprovar o texto, a assembléia servirá para organizar as próximas mobilizações unificadas. A CMS incentivará também a constituição de comitês populares de campanha para as eleições 2010. Serão espaços pluripartidários de articulação dos movimentos sociais para intervenção no processo eleitoral.

PROJETO INICIADO EM JANEIRO

Sensibilizados com o momento histórico pelo que passa o Brasil neste início de século e atentos à responsabilidade de marcar sua posição no processo eleitoral de 2010, os movimentos sociais começaram sua articulação em janeiro, durante o Fórum Social Mundial - 10 anos, em Porto Alegre, dia 29, e o Fórum Social Temático de Salvador, dia 31. Nestes dois encontros, a CMS realizou a Assembléia dos Movimentos Sociais e lançou um duplo desafio:

Construir uma plataforma de lutas e propostas unificadas, apresentando um Projeto Popular para o Brasil;

Combinar uma intervenção qualificada no processo eleitoral, defendendo esse projeto, sem se deixar absorver pela lógica eleitoral, com a continuidade da mobilização social e a construção de uma agenda unificada de lutas.

Foram também realizadas plenárias em 15 estados, para absorver as reivindicações locais de cada região do país, mobilizando mais de 20 mil pessoas, unificando a rica diversidade de movimentos. Dessa forma, o amplo debate realizado em todo o território brasileiro renova a leitura de último documento lançado pela CMS, em 2006.

PRÉ-SAL, MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO E SOLIDARIEDADE

O texto a ser aprovado se divide em cinco eixos temáticos, com o propósito de apontar as posições e intervenções da CMS sobre o atual momento político. Os cinco pontos são: "Soberania Nacional", "Desenvolvimento", "Democracia", "Mais Direitos ao Povo" e "Solidariedade". Para além desses temas, o documento deverá incluir novas bandeiras como a defesa do pré-sal 100% para o povo brasileiro, uma política de desenvolvimento social e ambientalmente sustentável, valorização do trabalho, universalização da internet banda larga e o fim das patentes de remédios.

O QUE É A COORDENAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS - CMS

A diversidade marca a Coordenação dos Movimentos Socias (CMS), criada em abril de 2003 por organizações e entidades como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a União Nacional dos Estudantes (UNE). Espaço de convergência, reflexão e atuação conjunta, a CMS tem o objetivo de aglutinar propostas para o desenvolvimento do país e para a melhoria da vida do conjunto da sociedade. Trata-se de um espaço estratégico de convergência de todas as forças populares e democráticas. Juntas, elas constroem um campo de ação que coloca os movimentos sociais como protagonistas na produção de conhecimento e elaboração de alternativas viáveis e avançadas para o Brasil.

A CMS é formada por movimentos nacionais, mas nos estados participam movimentos e grupos locais. A Coordenação se organiza a partir de articulação horizontal e sem hierarquia por tipo ou forma de movimento. Não foram convidados partidos políticos, sendo que as diferentes correntes ideológicas se expressam por meio da sua presença nos movimentos de massa. Em todos os debates, se busca a pluralidade, o respeito à democracia e consenso nas decisões tomadas.

QUEM PARTICIPA DA CMS

CUT - Central Única dos Trabalhadores / MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra / CMP – Central de Movimentos Populares / UNE - União Nacional dos Estudantes / ABI - Associação Brasileira de Imprensa / CNBB/PS - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-Pastorais Sociais / Grito dos Excluídos / MMM - Marcha Mundial das Mulheres / UBM - União Brasileira de Mulheres / CONEN / MTD - Movimento dos Trabalhadores Desempregados / MTST - Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Sem Teto / CONTEE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino / CNTE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação/ Conam - Confederação Nacional das Associações de Moradores / UNMP - União Nacional por Moradia Popular / Ação Cidadania / Cebrapaz - Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz / ABRAÇO - Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária / CGTB - Central Geral dos Trabalhadores do Brasil / CNQ -Confederação Nacional do Ramo Químico / FUP – Federação Única dos Petroleiros / CTB - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil / CMB / ANPG – Associação Nacional dos Pós Graduandos

quinta-feira, 20 de maio de 2010

ESTAMOS JUNTOS PELA UPE! Compreendendo o papel estratégico que o Hospital Universitário Oswaldo Cruz – HUOC joga para a sociedade, na perspectiva de contribuir na formação dos profissionais da saúde, de melhorar as condições de saúde da população e a consolidação do sistema único de saúde, o Diretório Central dos Estudantes “Prof. Paulo Freire”, defende a legitimidade e consolidação da Eleição do HUOC. Desta forma, é importante ter a frente do hospital uma gestão que possa construir com a Universidade uma unidade de ensino e saúde que de fato defenda a saúde enquanto um direito, que lute pela qualidade na complementação do ensino acadêmico através da práxis e que seja referência também no atendimento e serviço à população. Os Professores, Servidores e ALUNOS da UPE devem ser atores nas mudanças sociais e exercer seus direitos de cidadão votando nas eleições do HUOC! Por isso, no dia 20 de Maio de 2010...
A sua participação é muito importante!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Confederação Brasileira de Badminton divulga Ranking

A Confederação Brasileira de Badminton (CBBd) está divulgando nesta sexta feira (dia 14/05) o primeiro ranking nacional da modalidade de 2010.

O ranking, elaborado até o momento apenas na categoria Principal, já compreende os resultados obtidos no Nacional de Londrina e está sendo publicado nas modalidades Simples Masculino, Simples Feminino e Duplas (Masculina, Feminina e Mista).

O Blog da ESEF, Assim que soube entrevistou o atleta Leandro Barbosa aluno da Escola Superior de Educação 4º Colocado no Ranking Nacional.

1) O que significa essa conquista para você?

L.B- Essa conquista vem como resultado de um trabalho de 8 anos, desde o primeiro contato com o Badminton até o 4º Lugar do Ranking Nacional

2)Das Pessoas que o ajudaram nessa conquista, quem você identifica como mais importante?

L.B- Identifico meu primo Paulo Fernando que me levou ao primeiro contato com o esporte e foi meu primeiro técnico.

3)O que o polo ESEF-UPE representa nessa vitorio?

L.B-Na verdade, o pólo é mais uma conquista na minha caminnhada do Badminton, é um incentivo para chegar bem e com uma responsabilidade maior nas competições.

4)Você aspira um lugar nas Olimpíadas de Londres 2012?

L.B- Com certeza, eu acho que todo atleta almeja o lugar mais alto no Podium, principalmente a participação numa Olimpíada. 5)Qual seu objetivo para 2012?

L.B-Poder estar representando bem o Brasil nas Olimpíadas.

6)Como essa conquista vai refletir nas aulas e no treinamento dos seus alunos?

L.B- Os alunos sempre ver seus professores e técnicos como ídolos e essa conquista vai empolgar mais a prática e treinamento.

RANKING NACIONAL - 2010

SM 15-mar-2010 I I II II III III III IV I NAC REG NAC REG NAC-A NAC-J REG NAC-A NAC-A 23/03 06/04 15/06 03/08 08/09 13/10 16/11 23/11 15/03 1 LUIS CEREDA (HIP) 6.800 7 1.600 616 616 1.360 1.120 1.600 1.120 2 HUGO ARTHUSO (CAP) 5.744 7 1.120 784 1.600 616 1.120 448 1.120 3 PEDRO CHEN (C.C) 4.880 7 640 1.120 1.120 400 1.120 880 400 4 LEANDRO BARBOSA (FPBd) 4.880 5 1.120 880 1.120 0 1.120 640 5 GUILHERME KUMASAKA (CAP) 4.552 4 1.360 952 1.120 1.120 6 FERNANDO BOSCO (HIP) 4.376 6 1.120 784 952 880 400

Assista ao video da entrevista.

http://www.youtube.com/watch?v=QDUTZV1E7Ss

UNE DE VOLTA PRA CASA

13 horas e 20 minutos do dia 19 de maio de 2010. Hora e data exatas de um momento histórico para o Brasil e para o movimento estudantil - neste instante aconteceu a aprovação, por unanimidade, do projeto de reconhecimento da responsabilidade do Estado sobre a destruição da sede da UNE e da UBES e a destinação dos recursos para sua reconstrução.
O relator do projeto, senador Marco Maciel, apresentou parecer categórico pela aprovação e rogou aos senadores: "esta matéria foi aprovada por unanimidade na Câmara dos Deputados e faço votos de que assim o seja também no Senado". Daí por diante, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, senador Demóstenes Torres, passou a consultar os parlamentares - todos assentiram. Augusto Chagas, presidente da UNE, disse que a aprovação é a prova de que o Brasil mudou. "A posição unânime dos senadores, seguindo a já exposta pelos deputados, prova que a luta dos estudantes não foi em vão. Hoje o Brasil é outro, a democracia é uma realidade e jamais voltaremos ao passado sombrio de ditaduras". "Esta vitória honra a memória dos estudantes do passo, que tombaram lutando por liberdade. Mas também aponta para um futuro glorioso para o nosso país", finaliza Augusto.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

13 de Maio: A luta por Igualdade permanece 122 anos depois

Em 1988, a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, abolindo oficialmente a escravidão no Brasil. A realidade, no entanto se mostrou bem diferente e hoje, 122 anos depois, os negros ainda lutam por igualdade. Contam os livros de história, que em 13 de maio de 1888 a princesa Isabel determinou o fim da escravidão no país. É pena que a maioria dos livros não registrem também como os negros e negras lutaram para conquistar esta liberdade, que não falem das revoltas escravas que eclodiam em todo o país apesar da repressão violenta dos senhores de escravos. Não citam a Revolta dos Malês, a resistência do Quilombo dos Palmares e a coragem de milhares de escravos que tocavam fogo nas plantações e fugiam para os quilombos em todo o Brasil. É exatamente por entender que a história da instituição da Lei Áurea não foi bem contada, que desde a década de 1970, o movimento negro vem construindo o dia 20 de novembro como uma data de afirmação para o povo negro. “O 20 de novembro simboliza a luta efetiva do negro como protagonista da história e não como objeto como querem fazer do 13 de maio. O 13 de maio foi celebrado pela história oficial como se fosse uma concessão da princesa, destituído de luta real. Além do mais, o 13 de maio é analisado pelo movimento negro como uma vitória de uma etapa da luta, mas não é a consagração da liberdade, porque não há liberdade sem emancipação econômica plena, sem inserção social e política, sem acesso aos bens culturais e econômicos, sem usufruir do fruto do trabalho que é a riqueza gerada pela nação”, é o que ressalta a vereadora Olívia Santana (PCdoB), militante histórica do movimento negro baiano. O movimento negro não nega a importância do 13 de maio, o que se defende é o reconhecimento do protagonismo dos negros escravos e libertos na série de eventos que resultou na assinatura da Lei Áurea. Segundo o historiador Augusto Buonicore, "o 13 de maio foi o resultado de uma vitoriosa aliança do movimento abolicionista urbano e a luta insurrecional dos escravos rurais. A junção dessas duas grandes correntes, que pelejavam pela libertação, ampliou e radicalizou o movimento pelo fim imediato da escravidão e precipitou os acontecimentos, que estavam sendo retardados pela intransigência dos setores escravistas e pela vacilação dos emancipacionistas (abolicionistas reformistas). A força desse movimento abalou o próprio aparelho de Estado monárquico-escravista. Vários oficiais do exército passaram recusar a perseguir escravos fugitivos e juízes começaram a dar sentenças favoráveis aos abolicionistas", escreve no artigo "13 de Maio: um dia para se comemorar?". Buonicore ressalta também a importância no movimento da jovem classe operária brasileira, como ferroviários e cocheiros. “Os abolicionistas libertavam escravos e apoiavam as fugas individuais e coletivas, montando toda uma infra-estrutura para garantir a chegada dos libertos a lugares seguros”, enfatiza. Para Olívia, na verdade a história disseminou a idéia de que o 13 de maio nos igualou, o que não é verdade. “O 13 de maio determinou o fim da escravidão formal, mas ainda hoje temos práticas análogas á escravidão, que atingem principalmente os pobres de maioria negra. Para garantir a igualdade de verdade ainda é preciso muita coisa, principalmente a superação do racismo. Acabou a escravidão, mas não o racismo, que ainda é um grilhão invisível, que tem acorrentado uma parcela significativa da população brasileira: os negros. Nós não temos mais as bolas de ferro, mas temos sim a corrente simbólica do racismo nos prendendo e operando nas relações sociais”, afirma. Igualdade de oportunidades A comunista acredita que o primeiro passo para a sonhada igualdade é acabar com o racismo no mercado de trabalho. “É preciso superar o racismo no mercado de trabalho, garantir igualdade salarial entre negros e brancos, permitir que os negros tenham acesso a empregos de qualidade, à mobilidade e ascensão no mercado de trabalho. Precisamos garantir a presença de negros nos espaços acadêmicos e de produção de ciência. Precisamos garantir negros nos espaços de decisão, elegendo negros deputados, senadores, governadores. No dia em que este país tiver bancadas de deputados federais e senadores e governadores negros, ai sim agente vai ter de fato um sintoma de que o racismo está sendo superado. Mas, ainda não temos isto”, lamentou. Olívia defende também a adoção de políticas afirmativas para superação da desigualdade. “Nós temos 122 anos de políticas universais, que são necessárias, mas não são suficientes. Temos que enfrentar o racismo de maneira específica. Precisamos de políticas que consigam impedir que uma parte da população não tenha oportunidades iguais. Precisamos de políticas afirmativas na educação, no mercado de trabalho e no serviço público. Isto não é concessão, é um direito dos negros brasileiros, que historicamente tiveram seus direitos negados”. Militante convicta da luta por igualdade, a vereadora aponta também avanços importantes nestes 122 anos de abolição formal da escravidão. “Uma coisa que considero muito importante é a conscientização de uma parcela da sociedade, que está além do movimento negro, de que há racismo no Brasil. Ainda é uma parcela pequena, mas já é um grande avanço. Temos que comemorar também o fortalecimento das políticas afirmativas no Brasil. Hoje temos 90 universidades com políticas de cotas, com recorte racial. Conseguimos celebrar o 20 de novembro no país inteiro. Conseguimos colocar Zumbi dos Palmares no livro dos heróis brasileiros e consagrar João Cândido, o almirante negro, como referência nacional. Nós conseguimos também aprovar a lei que promove o ensino da história africana e afro-brasileira nas escolas públicas de todo o Brasil. Estas são grandes vitórias. Nós temos uma longa estrada pela frente, mas também temos muito que comemorar”, concluiu.
De Salvador, Eliane Costa

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Noss@s nov@s Diretores!!

A Escola Superior de Educação Física da Universidade de Pernambuco (Esef/UPE) agora tem nova direção. Tomaram posse segunda-feira (03/05) as professoras Vera Samico e Keyla Bandão Costa, eleitas diretora e vice-diretora, respectivamente, para um mandato de quatro anos. A solenidade aconteceu na quadra de esportes da unidade, que recebeu decoração especial para a ocasião.
Numa cerimônia de grandes emoções, o ex-diretor da unidade, Paulo Cabral, fez um discurso de despedida destacando a ajuda de Vera Samico, que atuou ao seu lado como vice-diretora, e de outros professores que contribuíram para construir a Esef. “Após oito anos nesta escola sinto a necessidade de externar meus agradecimentos. Foi um imenso aprendizado diário. Experiências que me ajudaram a crescer como pessoa e profissional”, afirmou. Cabral ainda ressaltou o esforço de todos em construir uma Esef e uma UPE cada vez melhor. Ele homenageou professores, falou do apoio dos alunos e agradeceu a companheira de gestão, a nova diretora Vera Samico. Um grupo de ex-alunos fizeram a leitura de uma mensagem para o professor Paulo Cabral, destacando seu trabalho à frente da unidade, e finalizaram com um poema para Vera Samico, ressaltando as qualidades da professora como pessoa e como profissional. Logo após, o reitor da UPE, professor Carlos Calado, fez a leitura do termo de posse e houve a assinatura do livro. A vice-diretora empossada, professora Keyla Brandão Costa, emocionada, falou sobre sua trajetória na Esef como aluna, mestranda e lembrou de quando passou no concurso para atuar como professora da universidade. “Agora sim, é o momento de retribuir. Agradeço aos professores, alunos e colegas de profissão que me apoiaram neste desafio e a Vera pelo convite para esta direção.” Bastante aplaudida, a nova diretora Vera Samico discursou bastante emocionada. “Agradeço a oportunidade e a confiança de Paulo. Foram oito anos de muito aprendizado. Vivi uma das experiências mais importantes da minha vida”, destacou. Vera também agradeceu a todos pelo apoio, e falou do compromisso com a comunidade “Esefiana”, como costumam dizer os alunos da escola. Após seu discurso para uma plateia atenta, ela recebeu abraços de familiares e amigos. “Uma escola que saiu dos muros da universidade e que nos orgulha bastante por suas ações deve ser um espelho para outras unidades”, afirmou o reitor. Ele falou dos desafios, projetos da escola junto à comunidade e das contribuições da Esef na preparação de atletas para jogos olímpicos. Calado encerrou desejando boa sorte às novas diretoras. “Vamos lutar para fazer uma universidade cada vez melhor.”
A solenidade, que reuniu professores, alunos, diretores das unidades de ensino da UPE, pró-reitores, servidores, familiares e amigos, foi encerrada com o hino de Pernambuco. Logo após, todos foram convidados a um coquetel.

sábado, 1 de maio de 2010

Programação do ENEEF

O tema do XXXI ENEEF será: As cartas estão na mesa! Na Universidade precarização, no esporte grande ilusão: Qual a carta na manga? As linhas gerais das mesas ficam assim: MESA I: Universidade Mega eventos/formação Resposta do ME MESA II: Mídia Concepção de esporte/formação Políticas públicas/crise MESA I - NA UNIVERSIDADE PRECARIZAÇÃO... NO ESPORTE UMA GRANDE ILUSÃO... MESA II - MASCARANDO AS CONTRADIÇÕES DA REALIDADE: OS MEGA-EVENTOS ESPORTIVOS ILUDINDO A SOCIEDADE As cinco práxis titulares são: Teatro do Oprimido Artes Circenses Educação Física Adaptada Folclore Atividades Aquáticas E como práxis suplentes: Hip Hop Dança Afro Capoeira GTTs encaminhados para o ENEEF: OPRESSÕES REGULAMENTAÇÃO ESPORTE MOVIMENTOS SOCIAIS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS SAÚDE LICENCIATURA AMPLIADA/FORMAÇÃO UNIVERSIDADE Suplentes: PETRÓLEO TEORIA DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA GRUPO DE ESTUDO O grupo tem que dar conta de apresentar o MEEF e suas bandeiras, mas deve ter um enfoque na Reforma Universitária, na Reorganização do Movimento Estudantil e na Campanha de Diretrizes.