segunda-feira, 31 de agosto de 2009

JORNALEX

Estudantes,
acesse o link abaixo e obtenha a Primeira Edição do Jornal da Executiva Nacional dos Estudantes de Educação Física:

domingo, 30 de agosto de 2009

Estudante da ESEF torna-se Vice-Presidente Regional da UNE

No dia 28 de Agosto de 2009 às 20h 30 min foi dado início a cerimônia de posse da nova gestão da União dos Estudantes de Pernambuco – UEP/Candido Pinto. Ela foi realizada na Faculdade de Direito da UFPE, local onde estuda a então Presidente Virgínia Barros (Vic), e contou com a presença de grandes nomes do cenário político estadual, os Reitores da UFPE e UPE, o Secretário Geral da União Nacional dos Estudantes - UNE, além dos representantes de DCE’s, DA’s e CA’s que estão espalhados por toda extensão do território Pernambucano.
Durante a cerimônia também foi anunciado o novo Vice - Presidente Regional da UNE. É o Estudante de Educação Física da Universidade de Pernambuco, Vinícius Barbosa. O acadêmico tem uma história de luta dentro do movimento estudantil, onde já foi Presidente do DCE/UPE em 2006, Diretor de Esporte da UEP na Gestão 2007-2009, participou de 3 gestões do DA/ESEF (é o tesoureiro da atual gestão), integra grupo de oposição a atual gestão do DCE (“Da unidade vai nascer a novidade”) e é militante filiado a União da Juventude Socialista – UJS.
A nova gestão da UEP tem como um de seus objetivos lutar pela autonomia e gratuidade da UPE e também levantar bandeira pelas causas das autarquias municipais. Assumindo esse compromisso, a UEP já tem uma Reunião marcada as 08h 30min na Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado. Nesta reunião a UEP apresentará uma proposta, documento, de plano Emergencial para a UPE e também reivindicará melhorias e discutirá as autarquias municipais.
O DA/ESEF deseja sorte e força na luta para esta nova gestão e parabeniza o Camarada Vinícius Barbosa por essa conquista. Ela enche de orgulho a todos os ESEFIANOS e mostra a força do DA/ESEF quanto grupo atuante no movimento estudantil.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Inscrição de Voluntários para ações Comemorativas no Dia do Profissional de Educação Física!

Atenção Estudantes!

Convocamos acadêmicos interessados em ser voluntários no dia 1 de Setembro de 2009 (dia do Profissional de Educação Física) nos pólos da Acadêmia da Cidade (juntamente com o CREF)! O estudante ganhará um certificado de participação!

Para efetuar sua inscrição você deverá preencher a ficha que está em anexo e entregar a um membro do Diretório Acadêmico/ESEF! Existem algumas fichas disponíveis também na sede do DA / ESEF

OBS.: Os acadêmicos inscritos deverão participar de um treinamento/Orientação! DATA DO TREINAMENTO: 28 de Agosto de 2009 HORÁRIO: 10h00min às 12h00min e 14h00min às 16h00min LOCAL: Faculdade Maurício de Nassau (Centro Superior de Tecnologia - CST; Rua Fernandes Vieira, 110 - Boa Vista)

BAIXE A FICHA DE INSCRIÇÃO :

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Convite à 1ª Assembleia Nacional da ANEL

29 e 30 de agosto de 2009, na sede do DCE Ocupado da USP (Butantã)

Por vezes, a juventude brasileira escreveu parte da história de nosso país. Foi assim com lutas em defesa da soberania nacional, como a histórica campanha “O Petróleo é Nosso!” na década de 30. Também foi assim nas fortes mobilizações contra a Ditadura Militar no Brasil, na década de 60. Não foi diferente no início dos anos 80, em que a juventude foi parte do poderoso processo de luta da classe trabalhadora durante as greves operárias do ABC paulista. Nos anos 80, novas mobilizações, muito massivas, pela democratização do país e a campanha das “Diretas Já!”. Início dos anos 90, e novas lutas, agora se enfrentando com o neoliberalismo e a corrupção do governo Collor. O neoliberalismo toma conta do Brasil, da América Latina e do mundo, no Brasil, sua maior expressão, Fernando Henrique Cardoso. E novamente, a juventude em greve nas universidades federais e lutando pelo “Fora FHC”, junto aos diversos movimentos sociais, com uma força resistente e ofensiva..

No início do século XXI, em particular no Brasil, a classe trabalhadora e a juventude depositam sua esperança no projeto representado pela eleição de Lula à presidência. Alguns meses de governo e está claro para quem Lula vai governar. Banqueiros, empresários, latifundiários, tubarões do ensino pago são os grandes beneficiados pelo governo de Lula. A juventude segue resistindo. O movimento estudantil tem como debate central a Reforma Universitária apresentada pelo governo a partir de 2003. O projeto apresentado reafirma a agenda neoliberal imposta durante a década de 90. O centro da preocupação do projeto é a exoneração do Estado no financiamento da Educação Pública.

Assim, o movimento estudantil se divide. De um lado, aqueles que seguem firmes na defesa de princípios históricos do movimento estudantil brasileiro, como a luta pela Educação de fato pública, gratuita e de qualidade e de outro, aqueles que assimilaram o discurso neoliberal e passam a ser “propositivos” nos marcos de projetos que em sua essência, atacam a Educação Pública. Quem encabeça essa divisão é a União Nacional dos Estudantes, entidade histórica do movimento estudantil que encabeçou muitas lutas do passado.

Entretanto, o debate sobre a Reforma Universitária é o marco de um processo que já vinha se desenvolvendo, mesmo durante os enfrentamentos com o governo de FHC. O processo de afastamento da UNE da classe trabalhadora foi crescente e teve sua expressão máxima na ausência desta entidade durante a forte luta contra a Reforma da Previdência, em 2003. A perda de um horizonte de luta por uma outra sociedade fica explícita na defesa intransigente de um governo que envia seu exército ao Haiti, de um governo que mantém boas relações com o imperialismo norte-americano e de um governo que durante a crise econômica, deixou clara sua disposição de salvar as grandes empresas e não o emprego dos trabalhadores.

Essa movimentação foi na contramão das lutas estudantis que seguiram privilegiando a luta direta em relação às ações institucionais. Assim, as Ocupações de Reitoria que ocorreram em 2007, a partir da ocupação da Reitoria da USP foram a marca de um novo momento para o movimento estudantil, não só marcado pela radicalização e fortes lutas, como também marcado pela ausência de uma entidade nacional que pudesse articular e fortalecer as lutas. Dessa forma, várias entidades do movimento estudantil brasileiro se articularam para construção de um Congresso que pudesse expressar essas mobilizações e a partir dessa experiência, definir como o movimento estudantil se organizaria.

O Congresso nacional de Estudantes reuniu quase 2000 pessoas, a maior iniciativa da história por fora da UNE. Este Congresso foi construído através de plenárias nacionais, que passaram por algumas partes do país, além das iniciativas de organização nos estados. A dimensão política desse Congresso, no entanto, se alterou ao longo de sua construção: em setembro de 2008, estoura uma grave crise econômica internacional, o que passou a orientar as ações dos lutadores que construíam esse Congresso, afinal a crise se abateu sobre os direitos da classe trabalhadora, sobre o emprego, sobre o orçamento das áreas sociais, como a Educação, sobre o preço das mensalidades nas Universidades pagas, sobre o direito à meia entrada, enfim, sobre todos os aspectos da vida da juventude e da classe trabalhadora.

Durante o Congresso, realizaram-se debates sobre conjuntura e crise econômica, sobre Universidades Públicas, Universidades Pagas e escolas Secundaristas, sobre cultura e opressão, e também sobre os rumos do movimento estudantil. Além de um calendário de Lutas e diversas campanhas, como a luta pela Petrobrás 100% estatal, definiu-se também pela fundação de uma nova entidade para o movimento estudantil. Todas essas definições foram antecedidas por debates democráticos, em que as teses expuseram suas posições pro plenário, além das discussões nos GD’s.

Hoje, não há apenas a UNE falando em nome dos estudantes, e defendendo projetos que não tem nada a ver com o que o movimento estudantil construiu. A nova entidade foi fundada com um formato que além de permitir a organização de muitos lutadores, respeita o ritmo dos debates nas diversas entidades do movimento estudantil brasileiro. Reproduzimos aqui os tópicos de organização da Assembléia Nacional de Estudantes – Livre, a ANEL, para convocarmos a 1ª Reunião Nacional da ANEL, que funciona através da explicação abaixo.

A convocatória e pauta dessa primeira reunião foi definida na reunião que ocorreu no dia 11 de julho, com a presença de várias entidades, entre elas muitas que já vem discutindo as resoluções do Congresso Nacional de Estudantes.

Segue a pauta:

1) Plano de Lutas e Campanhas

2) Organização da ANEL

3) Comissão Executiva Nacional da ANEL

4) Resoluções pendentes do CNE.

Seguem os tópicos de organização da ANEL:

1 - A Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre se reunirá de dois em dois meses, podendo realizar reuniões extraordinárias.

2 – A data e local da próxima reunião serão definidas ao término da reunião onde deverá ser aprovada também uma proposta de pauta que ficará em aberto para adendos durante o período de um mês. As pautas da Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre serão divulgadas 1 mês antes de suas reuniões.

3 - Todos os estudantes podem participar com direito a voz na Assembléia Nacional.

4 - Terão direito a voto na Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre os delegados eleitos para representação das entidades, escolas e cursos na seguinte proporção:

a) Delegados de entidades gerais (DCEs, Federações e Executivas de Curso e Associações Municipais e Estaduais de Estudantes Secundaristas) : 3 delegados para entidades que representam mais que 5 mil estudantes e 2 delegados para entidades que representam menos que 5 mil estudantes;

b) Delegados de entidades de base (CAs, DAs e grêmios): 2 delegados.

c) Delegados de coletivos e oposições: 1 delegado com a condição que a oposição ou coletivo tenha participado de uma eleição e tenha obtido no mínimo 10% dos votos;

5 – Todas as entidades deverão realizar reuniões onde se discuta a pauta da Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre e se elejam os delegados a participar da reunião. A eleição dos delegados poderá ocorrer através de assembléias, conselho de alunos representantes de turma (no caso de escolas de ensino médio), reunião de diretoria, reunião de diretoria aberta ou conselho de entidades de base, cabendo a entidade definir a forma de eleição.

6 – Para operacionalizar os trabalhos da Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre será criada uma Comissão Executiva aberta à participação de todas as entidades que se propuserem na reunião da ANEL. A Comissão Executiva Aberta se reunirá quinzenalmente, sendo suas reuniões divulgadas na Internet. Não havendo possibilidade de uma reunião presencial, realizará suas reuniões através da Internet.

7 – A Comissão Executiva Aberta compete:

a) Executar as resoluções da Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre;

b) Auxiliar as entidades da sede da próxima reunião da Assembléia Nacional a convocar e sediar a reunião;

c) Responder a acontecimentos emergenciais de acordo com as posições definidas pela Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre;

8 – Criação de um site e jornal semestral da Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre para divulgar suas campanhas e lutas do movimento estudantil. As entidades que participam ou constroem a Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre deverão se comprometer com cotas mensais ou semestrais para financiar as atividades da Assembléia, com o objetivo de fazer valer o princípio da independência financeira do movimento estudantil.

9 - As entidades que constroem ou participam da ANEL deverão convocar Assembléias Estaduais ou Municipais da ANEL que funcionarão de acordo com os mesmos critérios das Assembléias Nacionais e poderão ocorrer antes ou depois das reuniões nacionais, ou de acordo com a dinâmica das lutas em cada estado.

10 – A ANEL realizará de dois em dois anos, o Congresso Nacional dos Estudantes, fórum máximo da ANEL. Por decisão da ANEL poderá se convocar um Congresso Nacional dos Estudantes extraordinário entre o intervalo de um Congresso e outro.

Assim, contamos com a presença de todos e todas.

ANEL

Assembléia Nacional de Estudantes - Livre!

Este texto foi retirado da lista do MEEF

A partir do dia 11 de julho de 2009 as inscrições passaram a custar R$ 150,00 (profissionais) e R$ 110,00 (estudantes). Para efetuar a inscrição basta preencher a ficha localizada no site do evento e enviar o comprovante de depósito bancário para o e-mail cnef_insc@hotmail.com

Conta Bancária:

Banco do Brasil
Agência: 3699-4
Conta: 127.830-4 (Conta Poupança)
Variação: 01
Favorecido: "Congresso Ed. Física"
Para outras informações, visite o site:

UNE e UBES são contrárias ao financiamento liberado às instituições privadas

Por que as faculdades privadas, que historicamente têm cobrado mensalidades abusivas dos estudantes, agora poderão ser financiadas com dinheiro público? Essa pergunta resume a indignação da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) com a notícia da concessão de uma linha de crédito para capitalizar as instituições de ensino superior privadas. "Isso mostra, mais uma vez, a necessidade da luta pela regulamentação das instituições particulares prevista no projeto de lei da Reforma Universitária da UNE, que está na Câmara. O Governo investir dinheiro público na universidade privada reforça o modelo atual, com o qual não concordamos", afirma Augusto Chagas, presidente da entidade. O financiamento referido é fruto de um protocolo firmado entre MEC e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na quarta-feira, 5, que prevê a concessão de cerca de R$ 1 bilhão às instituições de educação superior. "É um absurdo e não faz sentido o Ministério da Educação conceder capital de giro pra faculdade particular!", exclama Chagas, mencionando uma das modalidades da concessão. "O dinheiro público até poderia ser empregado na inadimplência, o que impediria que muitos estudantes parassem de estudar, mas o fundamental que a UNE tem defendido é que as universidades privadas quebradas devem ser imediatamente “estatizadas” completa.

A medida é resultado do lobby das faculdades privadas que, conforme noticiou o jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira, 6, vem agindo desde "fevereiro, quando o governo precisava ajudar as instituições para diminuir os efeitos da crise econômica". "Essa é mais uma faceta para maquiar a pressão que vem forçando o mercantilismo da educação", opina João Paulo Ribeiro, coordenador geral da Federação de Sindicatos de Trabalhadores de Universidades Brasileiras (FASUBRA). A entidade declara que é preciso denunciar isso para a sociedade. E, se uma disputa está acontecendo, é necessário mostrar que o outro lado também está na luta.

Sem contar que justificar qualquer ação desse nível com a crise econômica é extremamente enganoso. O presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, Ismael Cardoso, lembra que recentemente o presidente Lula afirmou ter se arrependido de emprestar recursos às empresas com dificuldades financeiras, pois isso não impediu a demissão de milhares de trabalhadores. E completa com uma questão ao ministério: "MEC, como ficam os estudantes inadimplentes, que não conseguem pagar as mensalidades abusivas?", questiona Cardoso. Fato é que os mesmos empresários que na época da discussão da reforma universitária diziam que o Estado não tem direito de intervir nas instituições de ensino, agora buscam o mesmo Estado para socorrê-los. A UNE e a UBES farão pressão para que o crédito seja exclusivo para o pagamento de dívidas, além de gastos em infraestrutura, compra de equipamentos, qualificação de professores e fusões e aquisições, também previstos no acordo. Fonte: Estudantenet

Site visitado para outras notícias:

http://www.ujs.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=370:une-e-ubes-sao-contrarias-o-financiamento-liberado-as-instituicoes-privadas&catid=38:ultimas&Itemid=100

XVI CONBRACE e III CONICE

Tema: FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA & CIÊNCIAS DO ESPORTE: políticas e cotidiano

O 16º Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte - CONBRACE é um evento científico de periodicidade bienal. Constitui-se no maior evento do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE) e é considerado um dos mais importantes congressos dentre as sociedades cientificas da área. O CBCE, entidade científica filiada à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), congrega pesquisadores e estudantes provenientes de diferentes áreas do conhecimento e campos acadêmicos e que possuem em comum o interesse no desenvolvimento da Educação Física, das Ciências do Esporte e Estudos do Lazer.

Este evento consolidou-se, tanto no cenário nacional quanto latino-americano em decorrência do rigor cientifico dos seus eventos e da credibilidade construída ao longo dos 30 anos do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte.

O Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte (CONBRACE) na sua décima sexta edição e o Congresso Internacional de Ciências do Esporte (CONICE) na sua terceira experiência, objetivam a ampliar seu diálogo internacional na perspectiva de estabelecer parcerias e protocolos de cooperação no que diz respeito ao incentivo à realização de intercâmbios junto aos grupos de pesquisa, instituições e entidades científicas de forma a ampliar as bases da soberania nacional e da cooperação internacional.

Inscrição:

R$ 110,00 - Sócio Estudante Atuaizado (com 2008 e 2009 pagos)

R$ 140,00 - Sócio Estudante (com 2009 pago e apenas graduação)

R$ 210,00 - Estudante não Sócio (apenas graduação)

R$ 170,00 - Sócio Efetivo Atualizado (com 2008 e 2009 pagos)

R$ 210,00 - Sócio Efetivo (com 2009 pago)

R$ 400,00 - Profissional não Associado

Obs.: Na inscrição não está incluso alimentação e nem hospedagem!

Texto retirado do site: http://www.conbrace.org.br/pt/index.php

domingo, 9 de agosto de 2009

Atenção Esefiano!

Em dialogo com a Direçao da Escola Superior de Educaçao Fisica, foi ampliado o prazo de solicitaçao de bolsa de estudos para o 2 Semestre! Para participar voce devera preencher uma ficha socio-economica, ratificando situação de carencia, que se encontra na escolaridade.

A inscriçao foi prorrogada ate o dia 11 de Agosto de 2009!

No ato da inscrição o aluno deverá levar xerox de identidade, comprovante de residencia, comprovante de renda familiar(xerox da carteira de trabalho de todas as pessoas maiores de 18 anos que residem em sua casa)

Todos os inscritos passaram por uma investigaçao para comprovar situaçao de carencia. Tendo comprovado, o aluno podera receber abatimento na mensalidade de ate 100%.

Atenciosamente,

DA / ESEF